sábado, 28 de março de 2015

O que devo levar: barraca, lona ou uma rede ?



             Todas as três opções são uma forma de abrigo, refúgio e portanto um dos itens mais importantes de um acampamento. Nessa postagem eu compartilho algumas experiências e dicas que podem ser úteis na hora de escolher o melhor abrigo. Esta postagem não é para os mais experientes que já conhecem o ofício da natureza, ela é dirigida às pessoas que estão iniciando nas artes do mato. Entretanto, aos mais experientes fica o convite para apontarem ou sugerirem correções de algum equívoco cometido por mim. Aqui eu começo descrevendo rapidamente as principais características de cada um dos três tipos de abrigo e depois eu enumero em linhas gerais o que você deve levar em consideração na hora de decidir qual das três opções de abrigo você vai utilizar.


              É importante lembrar que o abrigo será seu local de descanso, por isso deve ser confortável, mas acima de tudo deve proporcionar proteção para você não se expor a condições perigosas. Obviamente, existem diferenças entre cada um deles. Por isso, é importante você conhecer os riscos que estará exposto em cada atividade para poder fazer a opção correta de abrigo que melhor se enquadre com as suas necessidades. Uma boa escolha de abrigo pode reduzir a probabilidade de exposição das condições perigosas inerentes as atividades outdoors.

             Além do conforto, eu mencionei que o seu abrigo deve oferecer proteção, mas proteger do que?

             Quais são as minhas vulnerabilidades? Basicamente os riscos são os mesmos em qualquer local onde você estiver fazendo sua atividade ao ar livre, o que muda é o grau de exposição. Eu dividi os riscos em dois grandes grupos, ambos relevantes:


# 1 Grupo dos riscos abiótico 

             - Muito calor: dois grandes problemas decorrem da exposição excessiva aos raios solares: Primeiro, pode desencadear um quadro perigoso de insolação geralmente seguidos de queimaduras na pele, desidratação, dor de cabeça. Nos casos mais graves ocorre perda de consciência e pode levar à morte. Segundo, pode levar a uma hipertermia (intermação) em decorrência de uma exposição excessiva à umidade e ao calor . Neste caso, os mecanismos de transpiração entram em colapso e o corpo continua aquecendo mesmo quando o indivíduo já não está mais exposto à fonte de calor. Este quadro também pode ser fatal.

           - Muito Frio: a temperatura corporal cai abaixo do normal (hipotermia) e pode ser fatal. Isso pode acontecer em qualquer época do ano e em qualquer local. Pode ser por ação da chuva, vento ou neve, não importa. Além disso, um quadro de hipotermia pode vir de forma muito rápida em qualquer local, até no meio da floresta Amazônica.


               Eu fui salvo por um colega quando mergulhava na Ilha do Arvoredo, em Santa Catarina. Estávamos em quase vinte pessoas e ninguém havia notado que eu estava passando muito mal dentro da água. Fui salvo porque um amigo percebeu que eu estava com os lábios roxos e não conseguia falar. Eu estava olhando para ele fixamente, e por mais que eu quisesse gritar para chamar ajuda, eu não conseguia, estava tremendo e perdendo a consciência dentro d'água. Ele entrou na água e me puxou até a margem, eu tremia mais que vara verde, e demorei muito até conseguir explicar o que estava sentindo. Como era possível ? Eu estava dentro da água há menos de cinco minutos e estava ótimo, passado alguns instantes eu quase perdera a consciência.


# 2 Grupo dos riscos bióticos 

              - Predadores: nessa categoria entram animais peçonhentos e grandes predadores. Embora ataques de grandes predadores sejam casos mais raros, ainda assim há registros de ataques desses animais em humanos em diversos locais do Brasil e do mundo.

Pegada de onça próxima ao nosso acampamento (Amazônia)
              - Pequenos organismos: podem ser parasitas, vetores de doenças, venenosos ou peçonhentos. Esse grupo é bem preocupante, principalmente num país como o Brasil, que apresenta uma biodiversidade incrível. Para se ter uma ideia de como nossa região é diversa, em 1m2 de solo Amazônico podemos encontrar mais de 60 espécies de formigas, no Reino Unido inteiro esse número não passa de 40 espécies. E acredite, formigas são os problemas menos importantes na floresta amazônica. Na categoria de organismos potencialmente perigosos à nossa saúde estão os carrapatos, várias espécie de insetos vetores de diversos patógenos, sem falar das *arboviroses, muitas totalmente desconhecidas pela ciência.

Carrapatos na minha barriga  
Marcas de carrapatos- Muito tempo de exposição ao solo 

                                                                                   
Scolopendra na Amazonia (30 cm)  

Tocandira - Paraponera clavata
Caranguejeira inofensivas se nao forem perturbadas












               Lembro-me de um colega de campo que após uma semana no meio da floresta Amazônica teve repentinamente no meio da noite uma febre altíssima, dor de cabeça e fortes dores musculares. Um terrível quadro para quem estava há dias de barco de qualquer vilarejo. Na manhã seguinte, porém, ele acordou em plena forma, como se nada tivesse acontecido. Sorte de todos nós! Mas o que foi aquilo ninguém sabe. Insetos transmissores de doenças são um assunto fascinante e valeria uma abordagem detalhada em outra postagem. Quem sabe?

* Vírus essencialmente transmitidos por artrópodes 


Caranguejeira próxima de minha rede (Amazonia)
Sauveiro - Atta sexdens mantenha seu acampamento longe desses ninhos. Estas formigas podem picotar  sua rede ou qualquer outro material macio em alguns minutos.
           
               -Violência: a violência é o risco que mais me assusta; a violência é iminente, ainda mais em um país como o Brasil e é degradante, com efeitos psicológicos negativos para toda vida. Nesta categoria eu incluo assaltantes, conflitos com caçadores ilegais, palmiteiros, garimpeiros, grileiros, narcotraficantes e por aí vai. Sarah Marquis, a mulher que percorreu sozinha 16.000Km em três anos, trocava sua confortável barraca por um refúgio em uma tubulação de esgotos quando estava na Mongólia para se proteger de homens embriagados. Ela trocava o conforto de sua barraca pela companhia de cabras mortas, ratos famintos e todo tipo de imundície que se possa esperar em um esgoto. Mas era nesse local que ela encontrava o mínimo segurança.



Barracas, redes e lonas 



            - Barracas: das três opções é a que oferece maior isolamento do ambiente externo pois em geral, são muito bem vedadas. Elas oferecem muita proteção do vento e da chuva e dificilmente você terá insetos ou outros organismos passeando por você enquanto estiver dormindo. Porém, em algumas situações seu uso pode ser simplesmente inadequado, comprometendo seu conforto e, até sua segurança.



        Explico: se você optar por fazer uma expedição na floresta Amazônica, dificilmente você conseguira ficar muito tempo dentro de uma barraca. Isso simplesmente porque a umidade relativa da floresta, somada com as altas temperaturas durante o dia, não te deixaram ficar em paz. Você vai transpirar muito e corre um grande risco de desenvolver um quadro de hipertermia. Para tornar tudo ainda pior a noite faz bastante frio na floresta. E nesse caso, suas roupas estarão molhadas de suor, agora você corre o risco de ter uma hipotermia. Você pode optar por utilizar a parte de dentro de sua barraca, que em geral são bem ventiladas. Mas lembre-se não terá proteção da chuva e para piorar ainda um pouco mais seu quadro, você estará em contato com o solo amazônico. Isso é\ uma péssima ideia, fique longe do solo dessa floresta ele e infestado de carrapatos e outros organismos igualmente problemáticos.


            Nesse caso, a melhor opção pode ser o uso de redes, uma cobertura para a chuva e fim! Você pode até usar um cobertorzinho para se cobrir e, de preferência use um filo para se proteger dos mosquitos. Você terá uma ótima noite de sono e ficará menos expostos a algumas criaturas espetaculares mas um pouco temperamentais da floresta.
 

             - Redes: são fáceis de montar, leves e, por isso práticas! Mas não oferecem muita proteção do vento e do frio. Com isso, você poderá ficar perdendo calor a noite toda, não conseguirá dormir e ainda corre o risco de uma hipotermia. Antes de optar por uma rede, você deve saber quais as condições meteorológicas de clima e tempo de sua região de interesse (época do ano, médias de temperaturas, regime de chuvas ou qualquer outro fenômeno climático que seja importante para seu bem estar). Alem de ter certeza que existirá locais onde armar uma rede.

Abrigo natural construído por caboclos amazônico - local onde dormíamos com rede
             - Lonas: Uma opção perfeita para quem deseja pouco peso e fazer longas caminhadas (tem uma postagem mais completa sobre isso). Regra geral, você pode dormir no chão, em locais frios e de altitudes, sem se preocupar muito com pequenas criaturas subindo em você durante a noite. São versáteis e com grande portabilidade. Mas não oferecem proteção contra insetos e outros bichinhos não muito bem vindos num acampamento. Lembre-se essa opção pode ser acertada em uma determinado local em uma época do ano, e ser uma opção infeliz em outra. Por isso, estude bem seu local de acampamento; fauna, flora, mapas topográficos são uma fonte incrível de informações pre-acampamento, use-as para programar sua atividade. Em algumas situações você pode inclusive acampar sem rede, lona ou barraca, realizando um incrível bivaque, mas isso já e outro assunto.

Bivaque em uma floresta temperada 
     
Abrigo natural em uma floresta temperada
Algumas palavras finais sobre segurança:

O que é segurança?

             E o estado de consciência que permite você alterar as condições perigosas, reduzir a probabilidade de exposição ou contato ao perigo e reduzir a intensidade das consequências.
     
             Em qualquer acampamento escoteiro e feito um sistema de ronda noturna. Nessa ronda, um ou dois elemento da patrulha ficam de guarda enquanto os outros descansam. Nesse caso, e feito um sistema de rodízio e cada elemento ou dupla revezam a guarda de hora em hora, por exemplo. Os responsáveis pela ronda fazem a segurança do acampamento e dos que estão dormindo. Alertando-os em caso de alguma irregularidade. Durante esse período eles podem ficar abastecendo a fogueira para mantê-los aquecidos ou conversando de forma que não atrapalhe o sono dos companheiros ou simplesmente contemplando os sons noturnos e o céu estelado, se não estiver chovendo, claro! Mas o importante e que com esse sistema ninguém será surpreendido durante o sono. Se você achar que seu local de acampamento não e seguro, essa pode ser uma alternativa de minimizar as condições de vulnerabilidade ou procure outro local para acampar. Por último, evite fazer um acampamento selvagem sozinho se você não tiver experiência suficiente para isso. Quando você sabe se está preparado? Quando souber o que deve fazer!

               De forma alguma, eu abordei todos os assuntos importantes sobre esse tema, seja por desconhecimento, negligencia ou pura ignorância de minha parte. Porém, se a partir desse texto você conseguir elaborar um programa que o ajude a ampliar sua segurança, eu ficarei contente em ter ajudado. Qualquer abrigo pode minimizar a exposição aos perigo inerentes de atividades outdoors. Mas será a sua a escolha de qual abrigo usar que fará toda diferença.

Baita abraço e até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário